Visão Cosmogônica

Visão Cosmogônica

Somos fruto de um fragmento de Luz Universal do CRIADOR e, portanto, estamos evoluindo por meio dos bilhões e bilhões de anos existenciais. As ciências têm como princípio fundamental, estabelecer a lei da criação ao fenômeno que parte da teoria do “BIG BANG”; para nós, trata-se dele, mas sobre a ótica de conceitos e de princípios da metafísica – filosofia, ou seja, o “Princípio do Movimento Universal de DEUS - OLORUM”.

 

Nesta visão, tempo como fundamento filosófico a dimensão humana, o homem seria um fragmento deste princípio e a partir dele vem evoluindo por dentre as dimensões espirituais e físicas, seja através do processo de encarnação ou dentre as várias moradas da desencarnação.

 

A experiência nasce em cada vida e através dela aparentemente nascemos em cada encarnação, como uma tábua rasa e a partir dela adquirimos os novos conhecimentos indispensáveis à continuidade no plano terreno. Não trazer lembranças, traumas, vícios, posições sociais e sexuais no facilita o novo aprendizado e a nova lição, os exercícios da vida passada serão vividos de formas e maneiras outras, mas com novo grau, para que sua decisão e escolhas sejam sempre as novas e a acertada para além daquilo que outrora nos fizeram sofrer; mas se não for, passaremos pelas dores novamente; pois dentro de cada um de nós existe a acessibilidade das nossas reminiscências de memórias pretéritas. É a partir das experiências, conhecimentos e sentimentos absorvidos e registrados consciente e inconscientemente que por meio da nossa aparelhagem psíquica e emocional construímos esta acessibilidade passada ou nova, como se uma aspiração intuitiva se disponibilizasse de forma interior com a tendência de nos direcionar a mesma prova para que não incorrêssemos no erro.

 

Desta maneira à luz da consciência do homem sobre a terra, damos o nome de “PRINCÍPIO DA LUZ RELATIVA”, ou seja, a luz composta e de fragmentos com alto teor de elemento fogo; portanto, uma luz que pelo seu relativismo e densidade está ajustada a um universo físico e/ou denso e paralelamente, a “Forma e Pensamento Humana e Manifesta”. Valores que ainda estão evoluindo em nossa consciência existencial e universal em algum grau.

Em síntese, o homem respira a luz de sua própria densidade existencial e assim sendo “Relativa”, ou seja, a luz refletida em modelos existenciais e ainda imperfeitos. Basta que olhemos a sociedade hoje e claramente vamos observar um conjunto de valores desequilibrantes tais como:

 

Agressividade, destemperamento, uso e desuso do outro, violência, somatizações e sintomacias de toda ordem. A este conjunto de consciência presa a densidades do individualismo e da não flexibilidade entre outras, ou seja, densas e ainda presas a princípios da ignorância da alma, encontraremos justaposto a esta condição a dimensão espiritual denominada de “Fogo Primordial e Relativo de Elegbara”; em outro aspecto a mesma condição da luz relativa, permite-nos que abramos os caminhos de nossas vidas, libertando-nos dos processos densos ligados aos planos de expiação, para aí então, crescermos e evoluirmos; por isto a menção de que Elegbara será sempre o senhor dos caminhos. Quando isto acontece e quando já estamos libertos das dores do mundo relativo, passamos a olhar para dentro de nós mesmos e portanto á buscar a essência através das decodificações e evoluções do espírito e da síntese de da luz em si; neste momento damos início ao caminho rumo a Luz Primordial e Absoluta de DEUS – OLORUM.

Independente do estágio que nos encontramos, deveríamos respeitar cada espírito no seu estágio, ajudando-o e não excluí-lo, julgá-lo de todas as formas e maneiras pessoais e sociais; somos todos semelhantes e com desejos fortes para construir a felicidade sonhada, mas ainda criamos nossos demônios e assim mantemo-nos no poder emergente de uns sobre os outros. Assim são muitas das religiões; é nesta força que ajustamos a moral e nossos valores e alicerçamos no campo dos sentimentos e mágoa a nação dos demônios excluídos e, portanto, o fogo destes como o mal supremo sobre a terra e quiçá nós nunca consigamos ir para lá; pois nunca sairemos de lá. Triste a ignorância humana, que manipula e cega, domina e exclui, salva e condena, é exatamente aí, que alguns Pastores se contradizem, afinal elegem o que entende ser certo para converter, pois uma bíblia que define DEUS como infinito amor, condena o moribundo a viver eternamente como diabo e tornar-se demônio; um amor universal que condena. Triste. O homem gera seu próprio sofrer e se elege em culpabilidades por conta dos dogmas e assim a grande maioria estaria fadada ao fogo do Diabo sincrético, a síntese do sistema dos SOFRERES.

A consciência espiritual e a religião em si deveriam contribuir para despertá-lo e a base moral contribuir na evolução do civismo e valores retos e equilibrados para a construção de uma sociedade mais harmônica e que se respeita. A melhor conduta para o nosso ajustamento ou reajustamento é a troca equilibrada de aprendizados e valores.

Observamos que para uma religião afrodescendente o comportamento moral de um médium deveria permear-se pela construção solidária e de um mundo melhor. Exemplo de conduta, equilíbrio na relação com a materialidade e fama, ausência de vícios e condutas inadequadas, equilíbrio e foco nas escolhas do amor de paixão escolhido e sem traições, preservação da natureza em todos os seus aspectos plenos inclusive quando utilizá-la ritualisticamente com suas ofertas e dedicação com a disciplina, respeito á casa, a seu sacerdote, ao policiamento e a vigilância para não se desviarem de DEUS. Ter Olorum como o princípio primeiro e causa de todas as coisas, a alimentar-nos na consciência de que estamos na terra cumprindo ciclos de passagem e oportunidades de evoluir e de melhorar nossos valores espirituais. Que possamos ser mais monoteístas do que mágicos a inventarmos soluções miraculosas como médiuns e dentro da religião.

Que possamos cantar mais o amor e denegrir menos o outro com piadas agressivas e popularescas que visam o poder de sistemas sobre outros sistemas. Cuidemos da mente, da emoção, do controle do instinto; cuidemo-nos sempre, pois nosso corpo é o invólucro que recebemos como exercício de prova e a casa de harmonia do nosso espírito.

Amemos de maneira sobrenatural tudo que está criado no Universo, sejamos uma porta de exemplo valorizando cada dia mais nossa essência do que o poder da nossa máscara passageira sobre o outro; afinal a vida terrena tem data de validade.